AUS (Valdivia) - Brazil Builds: Architecture New and Old. Repercussão da divulgação da arquitetura moderna brasileira
Revistas Electrónicas UACh
Web Sistema de Bibliotecas UACh
Formulario de Contacto Revistas Electrónicas UACh (OFF)
Revistas Electrónicas UACh - AUS (Valdivia)
 
 no.17El paisaje urbano como nueva postal turística de Chile: las ciudades de Santiago, Valparaíso y Osorno, 1930-1960Proyecto e ingeniería social: El debate sobre el plan de la vivienda en las publicaciones periódicas. Santiago, 1930-1950  Indice de autoresIndice de materiabúsqueda de artículos
Inicio revistalista alfabética de revistas  
-
 
Revistas Electrónicas UACh - AUS (Valdivia)
AUS (Valdivia)

ISSN 0718-7262 versión on-line

  Texto completo PDF
 
  Como citar este artículo
  Agregar a favoritos
  Enviar a e-mail
  Imprimir HTML

  AUS (Valdivia) n.17 Valdivia 2015




DOI:10.4206/aus.2015.n17-05

ARTÍCULO

 

Brazil Builds: Architecture New and Old. Repercussão da divulgação da arquitetura moderna brasileira

Brazil Builds: Architecture New and Old. Implications of the dissemination of modern Brazilian architecture

 

Luciane Scottá

Arquiteta e Urbanista pela Universidade
Federal de Santa Maria, Brasil.
Mestre em Teoria, História e Crítica de Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de Brasília, Brasil.
Doutoranda em Teoria, Projeto e História da Faculdade de Arquitetura do Porto, Portugal. lu_scotta@yahoo.com.br


RESUMEN/ Este artigo de investigação está inserido no contexto da tese de doiitoramento da autora. A produção arquitetónica do Brasil ñas primeiras décadas do sáculo XX foi bastante expressiva, e isto chamou a atenção do Museu de Arte Moderna [MoMA] de Nova York, que resolveu montar uma exposição em Nova York, seguida de um catálogo chamado Brazil Builds: Arquitetura nova e Antiga: 1652-1942. Embora também retratasse a arquitetura antiga, foi a arquitetura moderna e suas inovações que fizeram mais sucesso. A produção arquitetónica mostrada naquele período era bastante expressiva e a repercussão foi grande, inicialmente na exposição em Nova York, que passou por mais algumas cidades da América e com o catálogo que a levou a outros países. ABSTRACT/ This research paper stems from the Ph.D thesis of the author. Architecture production in Brazil during the first decade of the twentieth century was quite expressive. This drew the attention of New York's Museum of Modern Art [MoMA], which decided to arrange an exhibition in New York, followed by a book called Brazil Builds: Architecture New and Old, 1 652-1 942. While old architecture was also considered, it was modern architecture and its innovations which enjoyed greater success. Architecture production during that period was very expressive and the display caused great impact, initially in New York and then in other US cities, and later with the book that took it to other countries.

Palabras clave/ Arquitetura brasileira, Brazil Builds, arquitetura moderna.
Keywords/ Brazilian architecture, Brazil Builds, modern architecture.


 

A produção arquitetónica do Brasil nas primeiras décadas do século XX foi bastante expressiva, e isto chamou a atenção do Museu de Arte Moderna (MoMA) de Nova York, fundado em 1929, que nesta época se tornou um importante centro de debate e difusão da arte na América, principalmente pelo enfraquecimento desta area na Europa em virtude da guerra.

Interessado na arquitetura brasileira nova e antiga, o MoMA decidiu montar uma exposição, e para isso enviou em viagem ao Brasil o arquiteto Philip Goodwin, juntamente com o fotògrafo George Everard Kidder-Smith (que ja havia feito as fotografias para outra exposição chamada Stockolm Builds), para visitar, angariar dados e registrar em fotografias tanto a arquitetura moderna quanto a colonial. O contato com arquitetos locais foi mediado pelo embaixador brasileiro Carlos Martins, que os introduziu a Gustavo Capanema. Entre as pessoas que receberam os arquitetos na sua chegada ao Rio de Janeiro estavam Cândido Portinari, Marcelo Roberto, Oscar Niemeyer, Correa Lima e Lucio Costa. Costa, a esta altura, era diretor de pesquisas do SPHAN (Serviço de Patrimònio Histórico Artístico e Arquitetònico) e providenciou imagens e material de edificios coloniais.

Em dois meses de viagem foram arrecadados "650 fotografías em preto-e-branco e 250 Kodachromes tiradas por Kidder-Smith, mais 200 fotografías em preto-e-branco dos arquivos do Instituto de Arquitetos do Brasil e do SPHAN, desenhos origináis de Oscar Niemeyer, impressões e fotografías de vários outros esboços de desenhos, alguns esbocos atuais e exemplares dos azulejos do Ministério da Educação1 (Deckker, 2001).

 

Imagem 1. Capa Interna do Brazil Builds, (fonte: Goodwin, Philip. Brazil Builds -
Architecture New and Old 1652 - 1942, New York, Museum of Modern Art, MoMa, 1943).

 

Imagem 2. Capa do Brazil Builds (fonte: Goodwin, Philip. Brazil Builds - Architecture
New and Old 1652 - 1942, New York, Museum of Modern Art, MoMa, 1943).

 

A partir desse material foi inaugurada em janeiro de 1943, a exposição Brazil Builds, onde a arquitetura brasileira é exibida em painéis com fotos e textos explicativos, maquetes e material audiovisual. O tema da exposição era Arquitetura nova e antiga: 1652-1942, e trazia uma reunião de exemplares da arquitetura que o Brasil herdou dos seus colonizadores e imigrantes, e o que iria de fato impressionar: sua producao moderna.

A exposição passou, mais tarde, por diversas cidades da América e também por Londres. A mostra obteve grande atencao da mídia americana, e mesmo no Brasil a repercussão foi imensa. Embora os grandes centros já estivessem a par de algumçãs poucas novidades sobre a arquitetura moderna brasileira, o grande público leigo ainda as desconheciam e ficou surpreso. Documentando esta exposição é lançado o catálogo Brazil Builds, de Phillip Goodwin: "...uma magnífica apresentação da antiga e da nova arquitetura no Brasil, publicado pelo Museu de Arte Moderna de Nova York, e ilustrado com esplêndidas fotografías de G. E. Kidder Smith" (Mindlin, 1956). O catálogo, composto por 200 páginas incluí 300 fotografías, sendo 296 preto-e-branco e entre elas quatro coloridas. E foi este que chegou mais longe, alcancando as principais cidades da Europa e outros continentes. De acordo com Lauro Cavalcanti "a mostra "Brazil Builds" percorreu, durante três anos, quarenta e oito cidades do continente e o seu catálogo-livro alcançou os principais centros europeus e países tão distantes como a África do Sul" (Cavalcanti, 2001). A edição do Brazil Builds abrangeu o acervo de obras da arquitetura antiga e as características regionais do país. Estava presente o barroco das obras de Minas Gerais; as restantes ediflcações rurais, a arquitetura religiosa dos sáculos XVII e XVIII do Rio de Janeiro; as fortiflcações, instalações açucareiras e religiosas da Bahia, arquitetura urbana do Pará, teatro do Amazonas, missões jesuíticas no Rio Grande do Sul entre outras.

Embora tenha sido dividido em duas partes: antiga e nova, não se estabelece nenhuma relação entre as duas fases no livro. O fato de o modernismo brasileiro não renegar a tradição poderia ter sido explorado, mas não foi. As fases são divididas em duas partes e abordadas de maneira diferente. Entre as duas fases, a metade posterior do sáculo XIX, dominado pelo ecletismo, foi depreciado. Há um único registro fotográfico e esse período foi descrito como um tempo de modismos onde se preferia a "correção académica"(Goodwin, 1943), de "efeito pretensioso e pesado" (Goodwin, 1943), e que o Rio de Janeiro sofria de uma "mania internacional do carregado á Palladio (sic)" (Goodwin, 1943). Goodwin termina o texto assim:

O caso porém teve um bom firn. Poucos anos decorridos e, quasi (sic) da noite para o dia, a encantadora cidade curou-se dessa doença, começando ver melhor as vantagens de uma arquitectura (sic) de acordo com a vida actual (sic) e com a moderna técnica construtora." (Goodwin, 1943).

 

Imagem 3. Fazenda Colubande, São Gonçalo, RJ - primeira metade do seculo XIX
(fonte: Goodwin, Philip. Brazil Builds - Architecture New and Old 1652 - 1942,
New York, Museum of Modern Art, MoMa, 1943).

 

Em ordem cronológica, o discurso exalta as construções do período colonial, praticamente ignora a arquitetura a partir de 1850, e retoma a narrativa na década de 30 do século XX. A leitura que se tem é que houve um período de hiato entre as duas fases e que o Modernismo Brasileiro surgiu por si só, não sendo resultado de uma evolução continua.

Na parte dos Edificios Modernos, Goodwin exalta as inovacçõs brasileiras pertinentes ao país tropical: a necessidade de evitar o calor e reflexos luminosos, resolvidas pelo uso de brise soleil, venezianas e treliças de madeira, e ressalta o "uso imaginoso de azulejos." (Goodwin, 1943). Ressalta ainda que a sua grande contribuição para a arquitetura nova está nas inovações destinadas a evitar o calor e os reflexos luminosos em superficies de vidro, por meio de quebra-luzes externos, especiais. Para a América do Norte isso é coisa de leve conhecida. (Goodwin, 1943). Esta parte da publicação contempla 49 edificacóes diferentes. São edificios públicos, residenciais, religiosos, entre outros, que mostram um período ainda de florescimento de uma nova arquitetura. O período englobado é de 1937 até o inicio de 1942. Neste momento grande parte dos edifícios ainda se encontravam em construção.

Entre as obras, as que mais tiveram destaque foram o Ministério da Educação e Saúde, a Associação Brasileira de Imprensados irmãos Roberto, a Obra do Berço e as obras para a Pampulha, de Niemeyer. Dentre os arquitetos, o que obteve maior atenção e obras publicadas foi Oscar Niemeyer. A cidade mais retratada é o Rio de Janeiro, seguida por São Paulo e Belo Horizonte. O avanço da arquitetura brasileira foi o que mais chamou a atenção na exposição e no livro. O pròprio autor, Goodwin, conduz o texto do Brazil Builds de forma que se perceba a maior importância da arquitetura moderna e as suas contribuições. Na contra capa já anuncia: "Os arquitetos e engenheiros norte-americanos interessar-se-ão especialmente pelas experlênclas referentes ao dominio dos efeltos da luz e do calor por melo de quebra-luzes em vez do sistema de refrigeração do ar" (Goodwin, 1943).

 

Imagem 4. Brises do Ministerio da Educacao e Saude (fonte: Goodwin, Philip. Brazil Builds -
Architecture New and Old 1652 - 1942, New York, Museum of Modern Art, MoMa, 1943).

 

O panorama mostrado por Brazil Builds era por muitos desconhecido e conforme a exposição foi se deslocando pelas cidades, e o livro foi sendo vendido e levado a outros paises, a repercussão foi grande. A exposição passou por algumas cidades do pais e o MoMA foi elogiado por estar: "mostrando o Brasil Arquitetônico [sic] aos olhos do próprio Brasil" (Cardim Filho, 1945). No interior do Brasil, a exposição e o livro foram recebidos com grande surpresa e até com certo constrangimento, já que admitem que fol preciso um olhar de fora para os brasllelros se darem conta da qualldade do patrimonio existente e das capacidades que possuem.

Dessa peregrinação surgiu esse admirável livro e esta exposição móvel; com o fim de apresentar um fato novo nos centros culturáis, é que foi preciso o estrangeiro inteligente, para revelar ao mundo o nosso potencial de tradição do passado e as revelações do presente, no campo das construções arquitetónicas. E então, dentro do Brasil, também começaram a ver melhor as suas próprias realizações (Cardim Filho, 1945).

 

Imagem 5. Ministério da Educação e Saúde (equipe de arquitetos formada por
Lucio Costa, Oscar Niemeyer, Alfonso Eduardo Reidy, Carlos Le
ão, Jorge Moreira e
Ernani Vasconcelos. Consultoria de Le Corbusier) Rio de Janeiro, '937 (fonte:
Goodwin, Philip. Brazil Builds - Architecture New and Old '652 - '942,
New York, Museum of Modern Art, MoMa, '943).

 

Imagem 6. Associação Brasileira de Imprensa, Rio de Janeiro. Marcelo e Milton
Roberto (fonte: Goodwin, Philip. Brazil Builds - Architecture New and Old
1652 - 1942, New York, Museum of Modern Art, MoMa, 1943).

 

Sobre a repercussão nacional, Mário de Andrade fala que presenciou muitos conterrâneos entusiasmados com a arquitetura moderna ao terem contato com a publicação: "Já escutei muito brasileiro, não apenas assombrado, mas até mesmo estomagado [sic] diante desse livro que prova possuirmos uma arquitetura moderna tão boa como os mais avançados paises do mundo" (Andrade, 2003).

No exterior, a repercussão não é menor Nos anos seguintes, motivada por este episódio, a imprensa internacional publica vários artigos e até mesmo revistas inteiras dedicadas á arquitetura brasileira. Dois exemplos foram as publicações especiais The Architectural Review2 e L 'Architecture d'Aujord'Hui3.

A edição é especialmente bem recebida em Portugal. Segundo Ana Vaz Milheiro "O catálogo chega a Portugal (...) cerca de 1945, transformando-se numa espécie de livro de referéncia para o ideário moderno"(Milheiro, 2005). Ana Tostões, falando sobre a arquitetura moderna portuguesa dos anos 50, ressalta a repercussão determinante em um momento de renovação na arquitetura portuguesa:

Na divulgação desta nova arquitectura (sic) de liberdade terá sido determinante a edição em '943, pelo MOMA de Nova lorque do álbum 'Brazil Builds, Architecture New and Old: '652-'942\ cuja repercussão atingiu o meio portugués (Tostöes, '997).

É relevante destacar a descrição do livro feita pelo arquiteto português Nuno Teotònio Pereira : "Edição bilingue, esta publicação, excelentemente documentada, teve enorme repercussão entre os arquitectos (sic) portugueses e era considerada um tesouro por aqueles que a possuíam" (Pereira, 1996). Se refere ao exemplar como "duplamente inédito" (Pereira, 1996) por abordar arquitetura nova e antiga, e ainda ressalta o fato de ser "a primeira vez que os arquitectos (sic) portugueses tomavam conhecimento do riquíssimo acervo do Brasil colonial e imperial e ao mesmo tempo do surto extraordinàrio que conhecera o Movimento Moderno neste país." (Pereira, 1996). Pereira também menciona os edifícios e arquitetos que mais trouxeram surpresa através do catálogo do Brazil Builds:

Edificios como os do Ministério da Educação e da Associação Brasileira de Imprensa no Rio, do Hotel de Ouro Preto e do complexo da Pampulha em Belo Horizonte produziram enorme sensação. Foi através dessa publicacao que nomes como Oscar Niemeyer, Afonso Reidy os irmãos Roberto, Lucio Costa, Rino Levi, Burle-Marx e Henrique Mindlin passaram a ser conhecidos (Pereira, 1996).

No meio acadêmico, o arquiteto Alvaro Siza tem lembranças de que Brazil Builds foi introduzido por Fernando Távora, que inclusive teria dado uma palestra sobre o tema:

Lembro-me que Távora tinha comprado -não sei onde, mas não em Portugal - um livro, Brasil Builds [sic], que apresentava as construções recentes de Oscar Niemeyer, de Lucio Costa e de outros da vanguarda brasileira. A comunicação que ele tinha feito sobre isso na Escola, marcou profundamente os espiritos, porque ele evocava Le Corbusier, que nós imaginávamos sozinho, a lutar pela modernidade (Machabert; Beaudouin, 2009).

O arquiteto comenta que a chegada do livro foi impactante para os acadêmicos:

Foi uma excitacao tremenda. (...) A um ponto tal que a representação gráfica mudou radicalmente. (...) Depois foi aprofundado, mas a ação imediata foi que se passou a representar os projetos como na arquitetura brasileira dessa época, as paredes eram linhas e os pilares eram pontos (Siza, 2013).

O livro é considerado pela crítica como o episòdio mais representativo de prestígio e difusão da arquitetura brasileira. Williams afirma que: "Em termos de impacto, o Brazil Builds foi um evento crítico da mesma ordem que a realização de Brasília4" (Williams, 2009). A partir dos relatos e afirmações da bibliografia comentada pode-se concluir que a publicação de Brazil Builds marca o início de uma nova era para a història da arquitetura brasileira, abrindo caminho e servindo de referéncia bibliográfica para outros trabalhos que se proliferaram desde então. Para a historiografía da arquitetura brasileira este foi um evento inédito, obtendo grande reconhecimento dos trabalhos nacionais a nível local e internacional. AUS

 

Imagem 7. A cidade de Ouro Preto e o contraste com a arquitetura moderna do hotel
de Oscar Niemeyer (fonte: Goodwin, Philip. Brazil Builds - Architecture New and Old
'652 - '942, New York, Museum of Modern Art, MoMa, '943).

 

Imagem 8. Estação para Hidro-Aviões, Rio de Janeiro, Arquiteto Atilio Corrêa Lima.
1940 (fonte: Goodwin, Philip. Brazil Builds - Architecture New and Old 1652 - 1942,
New York, Museum of Modern Art, MoMa, 1943).

 

NOTA

1 "650 black and white photographs and 250 Kodachromes taken by Kidder-Smith, plus 200 black and white photographs from the Instituto de Arquitetos do Brasil and SPHAN archives, original drawings cy Oscar Niemeyer, prints and photographs of several other sketch drawings, a few actual sketch drawings and sample azulejos from the Ministry Building." (tradução minha)

2 The Architectural Review, v. 95, n. 567, mar 1944. Especial Brasil

3 L'architecture D'aujord'hui. N. 13/14, set. 1947. Especial Brasil.

4 "In terms of its impact, Brazil Builds was a critical evento of the same order as the realization of Brasilia." Tradução minha.

 

REFERENCIAS

Andrade, M. de, 2003. Brazil Builds. In: XAVIER, Alberto (org.) Depoimento de uma geracao - arquitetura moderna brasileira. São Paulo. Cosac & Naify.

Cardim Filho, C., 1945. A exposição "Brasil Builds" em Jundiaí. ACRÓPOLE. São Paulo: Max Gruenwald & Cia. Nov. 1945 Ano 8, n°91. Consultado em: 15 jul. 2014. Disponivel em http://www.acropole.fau.usp.br/

Cavalcanti, L., 2001. Quando o Brasil era moderno. Guia da arquitetura 1928-1960. Rio de Janeiro: Aeroplano Editora.

Deckker, Z., 2001. Brazil Built: the architecture of the modern movement in Brazil. Spon Press - Taylor & Francis Group. London and New York, 2001.

Goodwin, P., 1943. Brazil Builds - Architecture New and Old 1652 - 1942. New York: Museum of Modern Art, MoMa.

L'architecture D'aujord'hui. N. 13/14, set. 1947. Especial Brasil.

Machabert, D., Beaudouin, L., 2009. Álvaro Siza - Uma questão de medida. Uma maneira de fazer portuguesa - a propòsito de Fernando Távora. Sintra: Caleidoscòpio.

Milheiro, A., 2005. A Construção do Brasil. Relações com a Cultura Arquitectónica Portuguesa. Porto: FAUP Publicações.

Mindlin, H., 2000. Arquitetura moderna no Brasil. 2a ed. Trad. Paulo Pedreira. Rio de Janeiro. Aeroplano Editora / IPHAN, 2000. (1a edição, 1956).

Pereira, N., 1996. Escritos. A influência em Portugal da Arquitectura Moderna brasileira. Porto: FAUP publicações, 1996.

Siza, A., 2013. Depoimento dado a Luciane Scottá. 27 de abril de 2013. Faculdade de Arquitectura do Porto, FAUP.

Williams, R., 2009. Brazil (Modern architectures in history). Londres: Reaktion Books Ltd, 2009.

The Architectural Review, v. 95, n. 567, mar. 1944. Especial Brasil.

Tostöes, A., 1997. Os Verdes Anos na Arquitectura Portuguesa dos Anos 50. Porto: FAUP, 1997.

 


Reception/ 21 agosto 2014
Aceptacion/ 27 octubre 2014

 

 

© 2017 • Instituto de Arquitectura y Urbanismo, Facultad de Ciencias de la Ingeniería, Universidad Austral de Chile.
Teléfono/Fax: 56 63 221943 • Casilla 567 • Campus Isla Teja S/N • Valdivia • Chile
E-mail: